Início

Boas Festas

Webmail Área Reservada

Passear em Cabeceiras a ajudar a Guiné

01 Passeio Solidario NRDP219 solidários doam a verba para electrificar casa de acolhimento de crianças órfãs

Com 50% da inscrição a reverter para a Casa da Mamé Ussai e mais uma data de doações e rifas vendidas, a ONGD Na Rota dos Povos conseguiu angariar 3.990 euros líquidos, dinheiro suficiente para comprar os essenciais painéis solares que assim permitirão às crianças órfãs acolhidas beber leite, ter peixe fresco, estudar à noite, as tais coisas essenciais que damos por adquiridas e a que nem damos o devido valor.

Isto graças ao entusiasmo de 219 participantes que no passado domingo 7 de julho subiram em caravana ao mais que hospitaleiro concelho de Cabeceiras de Basto. E que caravana!... 79 pessoas em motos, 84 em mais de 20 automóveis (quê??) e até um autocarro com 56 passageiros (como??)

Esta passeata com participantes tão heterogéneos pôs em sentido os organizadores da Na Rota dos Povos, Octávio Coelho, Anabela Bandeira, Tito Baião, Susana Antunes. E ainda mais o Ernesto Brochado, mentor do percurso e programa. Mas, graças à enorme e constante ajuda do cabeceirense e sócio MCP Filipe Raposo, da hospitalidade e gosto do Turismo do Município de Cabeceiras de Basto e ainda a solidariedade do Sr. António João, proprietário dessa “Meca” que é a Adega Regional Nariz do Mundo, assisitiu-se a um desfile de sorrisos e alegria geral, desde Gondomar, de onde se arrancou à hora, até ao final do domingo, por um itinerário ambicioso, com muita serra e aldeia, idealizado inicialmente só para motos. Mesmo quando o autocarro ficou empancado na estreita e granítica aldeia de Torrinheiras, hehehe…

Com muitos jovens e inexperientes condutores nas motos, os “independentes” automobilistas, pouco dados a caravanas, e todas as limitações impostas pelo enorme autocarro de 14 metros, a comitiva rolou sempre em ritmos extremamente lentos, bons para dormir a sesta.

Mas como o Barroso, as suas serras e vales, gentes e gado na estrada, continuam a fazer as delícias de quem gosta de passear por Portugal, o programa manteve-se fiel, pelo menos até ao almoço, com visita a meio da manhã ao Museu Ferroviário de Arco de Baúlhe e périplo numa rota muito decalcada do Portugal de Lés-a-Lés de 2018.

Mas, e tirar as pessoas da mesa? Nem com macaco hidráulico! Só mesmo a causa guineense o conseguiu, com bom e divertido sorteio já cá fora da sala, perante um fantástico cenário transmontano, do outro lado do vale. O Tito explicou as necessidades do orfanato em Catió, calou a multidão e ofereceu sentidamente uma t-shirt autografada a António João. Um bom momento!

E depois lá veio o Octávio Coelho convocar as crianças presentes para o sorteio de muitos prémios oferecidos por benfeitores, desde obras de arte ao mel do “nosso” Fernando Magalhães. Ficamos a saber que temos um sócio apicultor.

Uma senhora que comprou 100 rifas levou quase metade dos prémios e a caravana fez-se de novo à estrada, cheia de preguiça.

Os motociclistas subiram a Porto de Olho, miradouro apertadinho e cuja névoa não permitia ver mais de a uns 70 km de distância. Passou a ser Porto de Imaginação.

Os Moinhos de Rei, mandados edificar por D. Dinis, receberam a paragem seguinte, onde o autocarro e automóveis haveriam de chegar muito tarde. O pesado tinha ficado encaixado em Torrinheiras. Viva o motorista Sr. Paulo e sua pachorra para nos aturar!

Atrasadíssimos, começavamos a dar naifadas no programa, deixando o espigueiro de Carrazedo – o mais comprido do Minho, pois vale por onze – para outras núpcias, e atalhamos para a Casa da Lã, em Bucos, um verdadeiro museu vivo, onde as senhoras locais se despediram de nós com cantorias!

Melhor só na farmácia!

Descemos a Cabeceiras e trocamos os últimos sorrisos e abraços nas poucas esplanadas da vila, diante do mosteiro já de fachada lavada.

Viva Cabeceiras de Basto e os cabeceirenses! Um passeio para aqui resulta sempre. Este foi quase a papel químico de um que fizemos num Natal há poucos anos. E é sempre para repetir! Muito Obrigado!

Se quiserem ajudar e contribuir para a ONGD Na Rota dos Povos contactem-nos. Para além da Casa da Mamé Ussai, esta ONGD já conseguiu equipar escolas e salas de aulas onde estudam 10.000 alunos! Incrível. E são motociclistas deste nosso clube! Um orgulho!

Album completo de fotos aqui:

https://photos.google.com/share/AF1QipMTrEVQUt5Da8_uHtZvvtkxCSWHptKqhThvjefPrwdjMjOQjL8lqRViI3I7o16mNQ?key=VFpyRUMwVFpIZUZhREdJUVlxSjNsZ25OSzROT0x3