Início

Boas Festas

Webmail Área Reservada

Convocatórias para as próximas Assembleia Gerais

6ª feira, 13 de janeiro, 21.30 h, sede

ASSEMBLEIA GERAL ELEITORAL

Convocatória

Cumprindo o regulamento estatutário desta agremiação, venho, por este meio, convocar os associados do Moto Clube do Porto para a Assembleia geral Ordinária, com carácter eleitoral. Esta AG está marcada para o dia 13 de janeiro de 2023, sexta-feira, pelas 21.30 horas, na sede social do Clube sita na Rua Aurélia de Sousa n.º 71, Porto, e tem a seguinte ordem de trabalhos.
1. Apresentação do Relatório de Atividades de 2022 do Moto Clube do Porto.
2. Eleição dos Corpos Sociais do Moto Clube do Porto para o biénio 2023-2024
- As urnas estarão abertas entre as 21.00 horas e as 23.30 horas
- As listas que, em devido tempo, apresentarem a sua candidatura aos Corpos Sociais estarão expostas na sede do Clube até ao ato eleitoral
3. Outros assuntos de interesse do Clube
Caso à hora marcada não estejam presentes 50% dos sócios do Moto Clube do Porto, a Assembleia geral terá início 30 minutos mais tarde com os associados presentes, mantendo-se, no entanto, o horário de funcionamento do processo eleitoral.

Porto, 25 de novembro de 2022
O Presidente da Mesa da Assembleia geral

Paulo A. M. Ribeiro

 

6ª feira, 20 de janeiro, 21.30 h, sede

ASSEMBLEIA GERAL

Convocatória

Venho por este meio convocar os associados do Moto Clube do Porto para a Assembleia geral Ordinária agendada para a sexta-feira, 20 de janeiro de 2023, pelas 21.30 horas, na sede social do Clube sita na Rua Aurélia de Sousa n.º 71, Porto, com a seguinte ordem de trabalhos.
1. Tomada de posse dos novos Corpos Sociais do Moto Clube do Porto para o biénio 2023-2024
2. Apresentação do Programa de Atividades e Orçamento do Moto Clube do Porto para 2023
3. Outros assuntos de interesse do Clube
Caso à hora marcada não estejam presentes 50% dos sócios do Moto Clube do Porto, a Assembleia geral terá início 30 minutos mais tarde com os associados presentes.

Porto, 25 de novembro de 2022
O Presidente da Mesa da Assembleia geral

Paulo A. M. Ribeiro

Big Trails de … Verão de São Martinho

“O passeio MCP Trails de Outono do passado dia 13 de novembro será molhado”, apontavam todos os serviços de meteorologia online. Esqueciam-se eles do grande amigo do São Pedro, o São Martinho 😉

O primeiro ponto de encontro estava marcado na sede do Moto Clube do Porto, para a saída, pontual, às 09h00. Uma manhã azul, de muito sol, na continuação dos 3 dias anteriores, de pleno Verão de São Martinho. Depois de viagem calma até à Praia Norte, em Viana do Castelo, foram-se juntando todos os 15 “pilotos”. Preparados para os desafios do dia, lá saímos em direção aos montes e vales do Alto Minho.

Mas se o sol andava lá no alto, debaixo das nossas duas rodas tínhamos um terreno completamente encharcado e escorregadio. A chuva caída durante mais de um mês tinha tornado os trilhos bem difíceis, com pedras cobertas de musgo e regos bem profundos. Nada que não fosse sendo ultrapassado, com mais ou menos facilidade, com mais ou menos interajuda.

A paragem para o petisco da manhã, tradição fundamental nos nossos passeios de Trails, foi feita bem no centro da aldeia de Montaria. Um petisco servido com toda a pompa e circunstância, pela nossa anfitriã, Fátima Iglésias. E que bem que soube aquela bola, os rissóis e batatas, acompanhados por uma fresquinha. Antes de voltar aos trilhos, um “calicezinho” do doce moscatel de Favaios também não podia faltar.

A subida ao alto dos 825 m da serra D’Arga deu o tiro de partida para a segunda parte do passeio. O azul do céu tinha-se agora convertido num cinzento carregado. Junto à Senhora do Minho, bem lá em cima, as rajadas de vento não ajudavam a apreciar as belas e largas vistas. Mas por ali todos os olhos tinham de estar focados nos trilhos. Declarado como “hard”, o troço que percorria todo o alto da serra tinha os dois pontos mais desafiantes do dia. Um picante extra, ultrapassado por todos.

Os 80 km de track definido para o dia chegavam ao fim, bem como as dificuldades do percurso. Ou não?... Às 14h30, o “Restaurante do Sérgio” estava pronto para nos receber, e de que maneira. Se os desafios anteriores foram ultrapassados em minutos, aqui foram preciso umas duas horas e qualquer coisa… Não sabíamos se o obstáculo devia ser contornado pela direita, se pela esquerda. Se por cima ou por baixo… Primeiro as entradas, com mariscos, perninhas de frango, pizas e… O primeiro prato, de peixe grelhado, escalado. O segundo prato, de leitão. O terceiro, de rojões com castanhas, acompanhado por arroz de sarrabulho… Para o atascanso ser completo, umas sobremesas com bolo-rei, crepes com chocolate e gelado. Uff!!!…. Obrigado e parabéns ao Sérgio e à sua equipa. Estava tudo fantástico!

Durante toda esta “boda de casamento”, chovia lá fora e de que maneira. Um verdadeiro dilúvio! Mas eis que surge novamente, de espada em punho, Martinho, o santo. Eram quase cinco da tarde quando arrancamos do restaurante e… nem um pingo de chuva até ao Porto. Um final feliz, para um dia muito bem passado.

Por este ano está feito. Que o próximo nos traga mais destes passeios de Big Trail!!

Ler mais...

Inscrições abertas para o Passeio de Natal

Moto Clube do Porto e MotoTrofa festejam a 10 de dezembro

Já estão abertas as inscrições para o Passeio de Natal do Moto Clube do Porto/MotoTrofa, marcado para dia 10 de dezembro, sábado. Verdadeiro presente antecipado para todos os sócios que podem, de uma só penada, passear de moto, estar com os amigos, descobrir a gastronomia local, provar especialidades únicas e até, imagine-se, fazer algumas das mais surpreendentes compras de presentes de Natal. E este ano, além de tudo isto, propomos a possibilidade de criar as próprias prendas!... Como? Só marcando presença para ver.

Passeata sempre muito concorrida que vai levar uma caravana limitada até ao Minho, percorrendo boa parte do território de Barcelos, aquele que mais freguesias tem (61) entre todos os 308 concelhos do País. E já foram 89!

Antes disso, porém, o encontro nas instalações do concessionário Honda na Trofa, a partir das 8 horas e 30, de onde partirá o Passeio de Natal MCP/MotoTrofa. Mas só depois de um adocicado pequeno-almoço, rumo a evento turístico onde gastronomia e a descoberta de artes e ofícios andam sempre de mãos dadas. Assim como galos e papas, vinhos e brinquedos, rojões e espumantes, rabanadas e ranchos folclóricos.

Pelo meio de tantas descobertas, a estrada, em viagem com tanto de curta quanto divertida. Estradas nacionais e umas quantas municipais farão as delícias de quem não tiver medo ao frio ou se deixe intimidar com ameaças de chuva. Que, mantendo o ‘acordo’ dos últimos anos com S. Pedro, nem deverão aparecer…

Agora, que já conhecem alguns dos detalhes do Passeio de Natal do Moto Clube do Porto e da MotoTrofa, fiquem a saber que as inscrições são limitadas e estão abertas até ao dia 2 de dezembro. Podem ser feitas através dos emails Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. ou Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar., e têm o valor de 30 euros para sócios do MCP e clientes da MotoTrofa. Para os que ainda não arranjaram tempo para preencher a ficha de inscrição no clube ou para fazer a revisão da máquina na empresa da Trofa, esse valor é de 35 €. Depois dessa data, se ainda houver lugares (o que é pouco provável…) o custo será de 45 €. Valor perfeitamente justificado pela qualidade do passeio 😉

Passeio de Natal sob o signo do Galo

A 10 de dezembro, sem missa mas com muita animação

O Passeio de Natal do Moto Clube do Porto é já no dia 10 de dezembro. Já?... Perguntam vocês.
Sim, é verdade! Respondemos nós.
Realmente o ano passa a correr e, depois de ainda ontem ser janeiro, estamos quase em dezembro e na tradicional e sempre concorrida passeata onde a gastronomia e a descoberta de artes e ofícios marcam pontos.
E como a tradição, pelo menos por aqui, ainda é o que era, o Passeio de Natal MCP/MotoTrofa vai arrancar das instalações do concessionário Honda na cidade da Trofa depois de um reconfortante pequeno-almoço a partir das 8 horas e 30. Arranque adocicado com o famoso e já obrigatório Bolo da Trofa além de outras iguarias e o imprescindível café.
Depois, a estrada. Viagem curta, mas muito divertida, com as melhores paisagens possíveis rumo à primeira surpresa do dia, preparando um almoço com tanto de opíparo como de tradicional. Num dia vivido sob o signo do galo, adivinhe-se o repasto, com prato típico da região minhota, que vai ser merecidos depois de, literalmente, meter as mãos na massa. Para quê?... Para aprender e ver como se faz um dos mais característicos símbolos de Portugal.
Claro que os motivos de interesse do Passeio de Natal MCP/MotoTrofa não se esgotam por aqui e haverá lugar a mais provas e, como sempre, possibilidade para comprar os mais originais presentes de Natal. Já sabem, marquem o dia 10 de dezembro na agenda – até porque as inscrições vão ser limitadas!... – e esperem por mais pormenores, atentos aos canais de comunicação do vosso clube, do Facebook às newsletters, para não perder o lugar nesta passeata natalícia.

 

À descoberta dos faróis galegos

O último evento pontuável para o TWC 2002 foi a Volta à Galiza.

O Moto Clube do Porto, vencedor das edições do TWC de 2020 e 2021 e à procura do “tri”, não podia deixar de estar presente, sobretudo depois da simpática oferta, por parte da organização do evento, de várias inscrições aos primeiros sócios a formalizarem a sua inscrição. Assim, na 6ª feira 7 de outubro, foram mais de 20 os sócios que em vários grupos se dirigiram a Pontevedra para as Verificações e Prólogo. Ao contrário de 2021, em que o evento decorreu com um tempo bastante “húmido”, o tempo estava magnífico e o prólogo começou a mostrar aos participantes locais menos conhecidos. A primeira etapa levou-nos de Pontevedra ao Cabo Finisterra, onde começava verdadeiramente a Rota dos Faróis, seguindo pela costa com passagens nos Faróis de Touriñan, Muxia, Vilán, Laxe, Roncudo e Punta Nariga, para terminar na Torre de Hércules, já na cidade da Corunha onde ainda tivemos uma visita ao Museu da Estrella Galicia. Infelizmente a organização foi demasiado ambiciosa com a quilometragem do dia e grande parte dos participantes não conseguiram ir a todos os faróis, no entanto todos levaram boas recordações das estradas e paisagens que lhes foram oferecidas ao longo do dia; na visita ao Museu da Estrella Galicia, pudemos ficar a conhecer a história desta marca de cerveja, ver como se fabrica e, no final, ter uma prova de degustação, antes do regresso a Santiago de Compostela para jantar e dormir. O último dia do evento tinha início próximo da Corunha, para retomarmos a rota onde a tínhamos deixado na véspera; até Ferrol os diversos grupos espontaneamente formados, pois era difícil rolar com um grupo de mais de 20 motos, seguiram mais próximo da costa ou mais pelo interior, mas todos acabaram por se ir encontrando ao longo dos pontos principais, o primeiro era o Farol de Prioriño, seguindo-se o de Prior, Punta Frouxeira, Punta Robaleira, Candelária, San Andrés de Teixido, Cabo Ortegal, Cariño e terminar no Farol de Estaca de Bares, antes do regresso ao Monte do Gozo, em Santiago, para a fotografia de grupo; mais uma vez a ambição de tudo mostrar foi má conselheira e, devido ao elevado número de kms não foi possível atingir todos os locais propostos. Para fechar este evento tivemos um cocktail de encerramento seguido da entrega de prémios e sorteio de lembranças. Infelizmente o regresso, para quem ficou até ao final, foi feito de noite e debaixo de chuva, mas não estragou o muito agradável fim de semana de excelente convívio.
Para o ano há mais e continuaremos a contar convosco para representar o Moto Clube do Porto além fronteiras.

Ler mais...

Passeio de Outono sem chuva

O Moto Clube do Porto levou a cabo no passado domingo, dia 16 de outubro, o último passeio sob o lema das estações do ano. Como de costume as previsões meteorológicas não eram animadoras, o que levou mesmo a algumas desistências, mas voltamos a ser bafejados pela sorte.

Os participantes foram chegando à sede do Clube ainda antes das 8:30 e, curiosamente, os primeiros foram os nossos sócios de mais longe (Viseu e Braga); serviram-se cafés e distribuíram-se os desdobráveis do passeio enquanto se iam contando as últimas viagens para que à hora marcada se fizesse o habitual briefing e nos fizéssemos à estrada.

A ligação até ao Marco de Canavezes pela A4, necessária para abreviar a viagem, foi cumprida quase sem sobressaltos (certo Alexandre?) e então pudemos começar a apreciar as curvas e as paisagens até chegarmos a Porto Antigo, onde fizemos uma paragem para apreciar o Douro, tomar algo e conversar com os companheiros de jornada. Daqui seguimos pela margem direita do Rio Douro até o atravessar antes de cruzar Rezende e começar a subida até à Capela de São Cristóvão; infelizmente o que seria um dos pontos altos do passeio, não só pela altitude atingida (1141m) mas também pelas vistas deslumbrantes, acabou por não o ser devido ao nevoeiro que envolvia a capela e impedia a visibilidade em redor. Daí o grupo seguiu para a Ponte da Panchorra, local mais baixo e que, felizmente, estava sem vento e algum sol a espreitar por entre as nuvens. A paragem seguinte foi na Aldeia da Gralheira para retemperar os estômagos e continuar a pôr a conversa em dia, antes de a Capela de seguir em direção às Portas de Montemuro onde aproveitamos estar “abaixo das nuvens” para apreciar as vistas do local e a Capela do Senhor do Amparo. Para chegar ao final do passeio descemos a Cinfães e à Barragem do Carrapatelo, onde atravessamos o Douro, seguindo depois pela sua margem direita até à foz do Tâmega, que atravessamos antes de estacionar junto às esplanadas da Marina de Entre os Rios. O fim de tarde estava agradável o que propiciou mais um agradável momento de convívio antes das despedidas e do regresso livre a casa.

Este ano ainda vai ter lugar o habitual Passeio de Natal, no início de dezembro, não se esqueçam de o marcar nas vossas agendas pois costuma esgotar rapidamente. Contamos convosco!

Ler mais...

Big Trails de Verão entre Douro e Tâmega

Num Verão estendido para lá das medidas decretadas pelo calendário, neste domingo solarengo, 25 de setembro, voltamos aos trilhos com as nossas Trails. Os troços de terra estavam traçados pelas serras da Aboboreira, Marão e Alvão, tradicionalmente destinos da época de Inverno.

À hora marcada e depois do cafezinho oferecido, arrancamos da sede do MCP, para ligação até Entre-os-Rios pela pitoresca estrada N108, marginal do rio Douro. No ponto de encontro, em Alpendurada, já nos esperavam os restantes “pilotos” e “pilota”, Fátima Silva, completando o extenso pelotão de 18 motos. Começamos lentamente, circulando por pequenas estradas e estradinhas, entre o rio Douro e o rio Tâmega, subindo e descendo, contornando as várias minas de granito da região. A subida ao alto da serra de Montadeiras apresentou o primeiro desafio do dia, num trilho com alguns regos e pedra solta, em que o rookie do dia, Pedro Rebelo, teve a sua primeira prova superada.

O petisco da manhã, que já se tornou tradição nos nossos passeios, foi servido mesmo no alto da serra da Aboboreira, junto à capela e miradouro da Nossa Senhora da Guia. Tempo para um pequeno lanche, para o Favaios e, desta vez, até para uma garrafinha de vinho do Porto, oferecida pelo Fernando Ferreira. Rejuvenescidos, seguimos viagem em direção ao alto do Marão, com mais uns testes à destreza dos mais aventureiros, àqueles que não deixavam de fazer as zonas “a vermelho”, ainda que as alternativas mais “soft” estivessem mesmo ali ao lado.

O almoço chegou mesmo à hora certa, no já bem conhecido “Restaurante da Feira”, bem no centro da pacata vila da Campeã. A vitela assada ou as tripas à moda do Porto, bem regadas a gosto, deixavam os convivas bem-dispostos e retemperados para o que ainda vinha a seguir. Para terminar, o doce e cremoso pudim da casa foi a sobremesa de eleição de quase todos.

A entrada na serra do Alvão dividia a caravana, com a grande alternativa do dia: uma longa e pedregosa descida, desde as eólicas até à barragem do Alvão, só para os duros, ou a cénica e paisagística opção, percorrendo as aldeias de Vila Cova e Galegos da Serra. Difícil de escolher!

Para o final estava reservado o troço do dia, para quem gosta de rolar punho em terra. Foram cerca de 30 km de super-especial do rali de Portugal, desde as Fisgas de Ermelo a Fridão, em piso rápido como nunca antes visto. Pena o muito pó, levantado pelas motos, que foi atrapalhando a condução, impedindo a diversão total. Terminamos mais uma vez à volta de umas mesas, com uma mini na mão, brindando àquilo que mais gostamos nesta vida de duas rodas. Tchim-tchim e até ao próximo, MCP Trails de Outono, num qualquer trilho por aí 😉

Ler mais...

MCP lança sócios ao Douro!!

IMG 20220813 171209 resized 20220824 015116462Desafio de descobrir os seus mais belos Miradouros…

E que fantástico desafio!

No fim de semana de 13 e 14 de agosto, o passeio proposto pelo MCP teve adesão reduzida, mas um sucesso tremendo.

De facto, em um, ou nos dois dias dessa data, os sócios do MCP partiram pelas estradas fora, ao longo do Rio Douro, para descobrir os seus Miradouros. De uma lista de 100 miradouros propostos, tinham de escolher aqueles que se adaptassem à sua estratégia, para pontuar no evento e ganhar o prémio!

Equipas compostas com pelo menos duas motos divertiram-se à grande, a descobrir o que todos achavam que já conheciam, mas que na verdade proporcionou grandes descobertas e paisagens arrebatadoras!

Os tais 100 miradouros, divididos por zonas, davam pontos diferentes consoante a sua zona… E obrigavam a fazer km para serem encontrados. E o calor estava lá, sempre à espreita e a convidar a conhecer o Douro, mas por dentro… E houve quem mergulhasse nas suas águas!

Kms maravilhosos, em estradas de eleição para motociclistas (nacionais, regionais e até algumas municipais) com uma pitada de Off Road para chegar a alguns miradouros mais “afastados”, de tudo teve este fim de semana!

Outra das partes muito giras deste evento, foi a obrigatoriedade de publicar de imediato, por cada equipa, as suas fotos dos locais visitados. Tanto no Facebook como no Instagram as fotos eram lançadas com uma “etiqueta” de número de equipa em frente, para provar a sua presença lá e identificar a equipa que a tirou. A publicação das fotos também dava pontos… E até prémios! Mas sobretudo proporcionou momentos de grande alegria a todos quantos participaram, pois acompanhavam ao minuto as viagens de todos os outros seus companheiros de aventura, mostrando online a grande variedade de sítios e paisagens possíveis de serem observadas nesta que é uma das zonas mais bonitas do mundo! O Douro!

No final esperava uma surpresa que deliciou todos! Um magnifico lanchinho, na sede, com todos os participantes, que possibilitou a troca de impressões e estórias sobre os momentos vividos nesses dois dias e a certeza de lá querermos voltar.

Esta foi a edição zero… Foram poucos mas foi muito bom!

Na próxima contamos contigo para engrandec{er o evento e torná-lo ainda mais enriquec{gaedor e gratificante.

Portugal é lindo, e podendo ir de moto, nós vamos lá!

Ler mais...

MCP na cidade do Ferro

75° FIM Rally 2022 - Ferropolis, Alemanha / 27-29 de julho

Pela primeira vez, na já longa história do FIM Rally, o MCP marcou presença no evento. 

Foram 11 os nossos sócios, que em 6 motos se deslocaram neste final de julho, à região de "Anhalt - Bitterfeld - Wittenberg", a mais de 2600 km do Porto, no nordeste da Alemanha.

Divididos em dois grupos de 3 motos, a deslocação foi mais ou menos demorada, consoante o tempo disponível de cada um, aproveitando para estender o passeio por outros países que não os estritamente necessários à ligação. Uns pelo norte, cruzando França, Bélgica e Luxemburgo, outros por sul, com belas  passagens pelos Alpes suíços, contornando pela Polónia, antes de entrar na Alemanha. Tudo conta para aproveitar da melhor forma o tempo em cima das nossas motos. 

Ferropolis localiza-se bem no centro de uma antiga região mineira de carvão, com minas a céu aberto, totalmente reconvertidas em lagos, criando assim uma área geográfica imensa, com cerca 150 km2, completamente diferente do que era naturalmente há quase 200 anos, quando ali se iniciou a exploração. 

Uma das cidades da região, Bitterfeld, orgulha-se de se ter convertido, da cidade mais poluída da Alemanha, para aquela que é actualmente uma das mais "verdes". 

Ferropolis é agora um museu industrial, com as gigantescas escavadoras usadas nas antigas minas de carvão expostas, sendo também uma imensa área multiusos, capaz de receber grandes concertos ou encontros internacionais de motociclistas.

O tempo muito agradável que se fez sentir nestes dias, com muito sol e temperaturas a rondar os 25°C, permitiu disfrutar ao máximo dos locais visitados, Dessau, Bitterfeld e Wittenberg, localidades que ainda se encontram num processo de reconversão para o turismo. A presença do Moto Clube do Porto foi bem reconhecida, recebendo muitos cumprimentos e agradecimentos pelas nossas organizações passadas, em encontros FIM. 

Em resumo, a experiência foi muito positiva, terminando este período de 3 dias, cheios de vontade de andar de moto. Mas.... temos o regresso a casa, para mais 2700 km em cima das nossas motos 😉

E como previsto, o objectivo de pontuar neste evento obrigatório do calendário do TWC, foi atingido. MCP soma e segue…!

Preparam-se agora outros sócios para nos representar em Itália e na Grécia.

Boa viagem a todos!

Ler mais...

MCP com equipa nos Xassos

Mais um momento motociclístico em Fontes Os Xassos estão de volta!

Depois de interregno de dois anos, Fontes voltou a ser a Meca dos chassos.

Este ano até houve uma equipa  que levou o nome do teu moto clube a participar nesta agradável corrida de cavalheiros.

Correndo com o numero 13 e sendo este o número desta edição, a equipa tudo fez para ganhar, mas a concorrência estava forte e após vários esforços, conseguiu-se um honroso 25º lugar da tabela, em 45 equipas que alinharam a partida  (http://xassos.cronobandeira.com/)

Mas a vitoria final foi a boa camaradagem e o convívio que reinou entre os vários membros do clube que compareceram para dar cor e brilho.

De salientar um honroso terceiro lugar na classe veteranos ao Armando Moutinho e Adriano chumbo, e Paulo Ribeiro (não o jornalista mas o cozinheiro).

Para o ano de certeza que há mais... E lá nos esforçaremos outra vez! 😉

40 Concentração de Faro

Moto Clube do Porto bem representado!

A jogar em casa para pontuar para o TWC e assim manter as esperanças de continuar na corrida para ser novamente campeão, 13 sócios responderam ao apelo do clube para ir á concentração de Faro e pontuar.

Mas para alem disso a presença naquela que é uma das melhores concentrações Europeias serviu também para confraternizar e  viver o mundo biker que esta organização oferece .

Assim, durante os tres dias que durou o evento, houve tempo para tudo. Pudemos assistir a vários espetáculos, ver as motos em destaque, disfrutar de vários petiscos, e sobretudo reencontrar velhos amigos e motociclistas de varias partes do mundo e de Portugal. E tudo mais a que se têm direito!

Foi bom poder estar e voltar a ter o que recordar.

Sob o signo da paridade

O dia 24 de julho, e o Passeio de Verão, vão ficar na história do Moto Clube do Porto pois, pela primeira vez, tivemos 20% das motos participantes conduzidas por senhoras! Sim, sabemos que cada vez há mais mulheres a conduzir motos no dia a dia, mas nunca tal havia acontecido num passeio do MCP e hoje, 5 dos 25 condutores que integraram o passeio eram condutoras!

O dia amanheceu nublado, fresco e foi com um nevoeiro algo húmido que deixamos a sede do clube depois do café e do briefing, nevoeiro esse que nos acompanhou até depois de Amarante. Aí era onde começava verdadeiramente o passeio, com as primeiras curvas encadeadas até Celorico de Basto; com a entrada nas Terras de Basto além das estradas curvilíneas qb podíamos apreciar um sem número de casas senhoriais que por lá proliferam em grande número. Depois de passar ao lado de Cabeceiras de Basto, e enquanto subíamos para o Salto, as vistas passaram de boas a sublimes; foi tempo de fazer uma pequena paragem para esticar as pernas e beber alguma coisa antes de atravessar a barragem do Alto Rabagão e ver, com tristeza, a falta de água na sua albufeira. Tempo ainda para fazer uma paragem em Vilarinho de Negrões para a foto de grupo da praxe, antes de descermos a Boticas para almoçar a “obrigatória” vitela barrosã no Restaurante Caçador.

Já refeitos, arrancámos em direção a Ribeira de Pena por uma estrada municipal cujas paisagens, e curvas, os participantes não esquecerão tão cedo. Depois…, bem, depois foi regressar às estradas, que agora nos pareceram banais, até Arco de Baúlhe após o que fizemos uma última paragem para “meia de letra” e algo para refrescar, e regressarmos a Amarante onde nos dividimos em pequenos grupos para o regresso a casa.

Em agosto muitos de nós irão de férias, para mais ou menos longe, de moto, carro ou avião (será que alguém vai de bicicleta?) mas o Moto Clube do Porto não para e, no fim de semana de 13/14, haverá uma proposta de passeio com moldes fora do normal. Se vais ficar “por cá” mantém-te atento às notícias!

Ler mais...

Centro de sabores surpreendentes

Rota dos Sabores 2022 00Meia centena deliciou-se com Rota escaldante

Descobrir novos paladares e conhecer o património local, ver paisagens diferentes e percorrer estradas menos conhecidas foram objetivos plenamente cumpridos em mais uma Rota dos Sabores. O Moto Clube do Porto, com apoio da Henisa Cash & Carry e da MotoTrofa, juntou meia centena de participantes para uma surpreendente descoberta da região centro. Aventura de exploração que começou cedo, com o sempre desejado café acompanhado pela primeira surpresa do dia.

Bombons com recheio de manjerico, isso mesmo, manjerico!, criados pela Pedaços de Cacau – da já nossa conhecida Raquel Lima – e que serviram para assinalar o final das festas dos santos populares e o início das viagens de verão. E que início!

Tentando aproveitar as temperaturas mais amenas da manhã, o grupo saiu do Grande Porto de forma diferente, através de estradas secundárias entre árvores, beneficiando de algumas sombras e passagens por vales refrescantes. Percurso pensado para enganar a adivinhada canícula, concentrando mais quilómetros na parte inicial de uma viagem que levaria a caravana até ao belíssimo parque de merendas da pateira de Espinhel.

Pouco mais de uma centena de quilómetros, com passagens na serra do Arestal, abordando ao de leve a Serra da Freita e olhando para a Serra do Caramulo, com passagens por Macieira de Cambra, Vale de Cambra ou Sever do Vouga antes da chegada a Águeda. Ou melhor, à aguedense Freguesia de Recardães e Espinhel, onde esperava o seu presidente, Manuel Campos. Mais precisamente ainda, à pateira de Espinhel, na lagoa de Fermentelos a maior lagoa natural da Península Ibérica.

Pedaço de paraíso adoçado pelos pastéis de Águeda

Local de enorme beleza, com parque verdejante que serviu de excecional palco para a receção preparada pelo Grupo Motard de Recardães e pelo seu presidente da Assembleia-geral, Marco Almeida. Que, associando-se ao evento do MCP, brindou os participantes com os famosos pastéis de Águeda para acompanhar o café, sumos e águas. Pastéis de origem conventual, feitos com açúcar, ovos e amêndoa, de origem historicamente disputada pelo Convento de Jesus, em Aveiro, e pelo Mosteiro de Lorvão, e de que existem atualmente apenas 5 produtores acreditados pela Câmara Municipal de Águeda.

Um momento para apreciar a beleza natural de um verdadeiro pedaço de paraíso e descansar um pouco, minimizando os efeitos da temperatura já então bem elevada, antes da curta tirada até à Curia. Viagem pelo meio de alguns dos vinhedos de onde saem os cada vez mais apreciados vinhos bairradinos e que acompanhariam um dos momentos altos da Rota dos Sabores 2022 Moto Clube do Porto/Henisa.

O almoço, servido no Curia Palace Hotel, foi marcado por uma imagem de grande elegância, em local de enorme carga histórica. Inaugurado em 1926 e alvo de cuidada remodelação integral, preservando todo o misticismo dos “loucos anos ‘20”, o Palace impressiona sempre pela grandiosidade e o classicismo de um ambiente ímpar, sendo elemento incontornável no panorama hoteleiro nacional.

Dos “loucos anos ‘20” à surpreendente vila Ançã

Com um serviço excelente a exaltar as características de um local inesquecível, custou aos participantes arrancar para a última etapa, curta, até Ançã. Uma vila de grande peso histórico cuja fundação remonta, pelo menos, à ocupação romana, ainda no primeiro século da era cristã, factos atestados por vários vestígios arqueológicos. Importância de longa data sublinhada pela doação de uma propriedade no ano 937 D.C e que representa o primeiro documento escrito com referência ao lugar de Ançã. Que ganharia estatuto de vila e sede de Concelho em 1371, com foral concedido por D. Fernando, e uma relevância crescente até às reformas liberais de 1853, altura em que passou a integrar o concelho de Cantanhede.

Recebidos pelo presidente da Junta de Freguesia de Ançã, Cláudio Cardoso, perceberiam os participantes a importância histórica, que valeu recuperação do estatuto de vila em 2001 e que está bem patente no legado patrimonial, maioritariamente edificado na característica pedra de ançã. Pedra calcária, de cor clara e muito macia, facilitando os trabalhos de escultura e ornamentação arquitetónica tendo como exemplos mais famosos os túmulos de D. Afonso Henriques e de D. Sancho I ou a Porta Especiosa, da Sé Velha de Coimbra.

Mas também de monumentos ançanenses, muito bem-apresentados pela simpática e conhecedora técnica do Posto de Turismo Liliana Malva, do Paço do Marquês de Cascais à Igreja Matriz, dedicada a Nossa Senhora do Ó (ou a Expectação). Verdadeira gramática de estilos arquitetónicos, construída nos séculos XVIII e XIX e declarada como Património de Interesse Público em 1983. Particularmente interessante foi também a apaixonante história da fonte dos Castros ou da casa onde nasceu o médico, poeta, escritor, professor e intelectual Jaime Cortesão. História de Ançã que não ficaria completa sem a visita ao Museu Etnográfico Típico de Ançã ou descoberta do Moinho da Fonte, representando os muitos moinhos de água existentes nas margens da Ribeira de Ançã e aproveitando um caudal de água superior aos 20 mil litros por minuto! E para os melómanos, oportunidade ímpar de assistir, no Terreiro do Paço, ao ensaio geral da Phylarmonica Ançanense, com o espetáculo Plano V, integrante do programa da Semana Cultural de Ançã. Enfim, mais surpresas!

A fonte dos amores e um doce de piscina

Visitas que abriram o apetite para mais descobertas surpreendentes. Por um lado, a piscina natural, alimentada por água proveniente diretamente da nascente da Fonte dos Castros, e, por outro lado, a doçaria local. A começar pelo tradicional Bolo de Ançã, com origens se perdem no tempo e cuja simplicidade de ingredientes (farinha, açúcar, ovos, manteiga, fermento e raspas de limão) remete o segredo da qualidade para o saber ancestral das boleiras que fazem perdurar o processo de fabrico artesanal. Cozido em forno de lenha, tem a particularidade de uma feitura a 2 tempos, saindo do forno para ser feito um corte na parte superior em forma de coroa e pincelado com ovo para reforçar o tom dourado. E há também uma variante mais recente, feito sem ovos e com um toque a canela, cuja forma em S valeu designação de Bolo de Cornos.

Doçaria acompanhada por sumos, café de cafeteira tradicional e até uma jeropiga antes da possibilidade de desfrutar da piscina natural e do bar Quintal da Fonte, onde foi possível aproveitar um ameno sunset com direito a música ao vivo. Forma muito apreciada de terminar a Rota dos Sabores, antes de um regresso a casa feito à vontade de cada participante, com várias estradas nacionais à mão de semear e o acesso à autoestrada a escassos dois minutos de distância. E dispensando o eficiente trabalho dos “condutores de caravana” Rui Carvalho e Castro, Sérgio Correia, Nuno Trêpa Leite e Armando Moutinho, fundamentais na boa disposição e segurança ao longo de toda a viagem.

Ler mais...

Jantar de aniversário comemora 36 anos do MCP

Homenagem à amizade

A tradição voltou a ser o que era. Os sócios podem voltar a reunir-se, também à volta da mesa, e muitos foram os que responderam afirmativamente ao convite para marcar presença no jantar comemorativo do 36.º aniversário do Moto Clube do Porto. Uma noite bem animada, reunindo associados que há anos não se viam, aproveitando para colocar a conversa em dia e combinar as próximas passeatas.

Encontro no Hotel Holliday Inn Porto – Gaia, o mesmo local onde havia sido efetuado o Jantar de Reis, e que voltou a ser palco de exceção em mais um evento. Durante o qual, seguindo longa tradição, foram entregues as medalhas àqueles que cumpriram 10, 20 e 30 anos de filiação e dedicação ao Moto Clube do Porto. Uma homenagem merecida e que sublinhou a grande amizade que nem estes tempos complicados fizeram esmorecer.

Sócios "à prova de fogo"

24.º Portugal de Lés a Lés Dia 2Moto Clube do Porto em grande no mais exigente Lés-a-Lés de sempre

O Moto Clube do Porto voltou a ser o mais representado coletivamente no Portugal de Lés-a-Lés que, na 24.ª edição reuniu mais de 2400 participantes em 2200 motos. Várias dezenas de motociclistas ‘defenderam’ as cores do MCP, divertindo-se de Faro a Bragança, ao longo de 1256 quilómetros com passagem por Castelo de Vide e Covilhã.

Numa das mais bonitas e exigentes edições dos últimos anos, com temperaturas muito elevadas ao longo dos quatro dias, foram dezenas de sócios a passear através da zona raiana, fazendo diversas incursões a território espanhol. Ainda assim, foram apenas 10 os inscritos para pontuar naquela que foi a 3.ª prova do FIM Touring World Challenge, ‘competição’ que o MCP lidera de forma bem destacada, rumo ao terceiro título mundial consecutivo.

Mas a presença do MCP no evento da Federação de Motociclismo de Portugal foi bem visível noutros capítulos, com muitos sócios integrados na grande equipa organizativa. Desde as verificações técnicas à gestão e apoio aos participantes, dos vários guias à equipa das ‘motos-vassoura’, da fotografia à logística das partidas e chegadas, do gabinete de Imprensa ao speaker, muitas foram as t-shirts do MCP em ação. Presença visível também em vários controlos de passagem, desde as algarvias ruínas romanas em Milreu até Castelo Mendo, logo no arranque da 3.ª etapa. Isto depois de, na véspera, terem protagonizado D. Dinis e a Rainha D.ª Isabel, no castelo do Sabugal, local onde a lenda diz poder ter acontecido o famoso milagre das rosas.

Numa caravana que contou com motociclistas de mais de uma dezena de nacionalidades, destaque ainda para o sócio Paulo Mendes que é um dos quatro participantes totalista de presenças no Lés-a-Lés. E que, juntamente com Luís Silva, Ângelo Moura e Luís Simão, vai cumprir as bodas de prata no evento de 2023.

24.º Portugal de Lés a Lés Dia 1

Trails de Primavera pelo Douro Superior

Um fim de semana inteiro a curtir a nossa Big Trail pela região do Douro Superior. Não se podia pedir mais do que isto e foi isso que tivemos no passado 21-22 de maio! Os doces aromas da região ajudaram a adornar ainda mais as paisagens deste Douro seco e agreste, que nesta altura de Primavera se revestem de flores e se pintam de todas as cores.

Mas mais do que Primavera, as previsões durante a semana anterior apontavam para altas temperaturas de verão. Uns tórridos 37ºC!!! No entanto, voltamos a receber a visita do bom do São Pedro, santo padroeiro das nossas motos Trail, que nos brindou com uma temperatura amena durante todo o fim-de-semana, ideal para circular de moto em fora-de-estrada, ou dentro dela. Depois do habitual briefing inicial, bem no centro de Torre de Moncorvo, os 14 “pilotos” fizeram-se aos trilhos. Só para a parte de sábado esperava-nos uns longos e desafiantes 120 km, interrompidos aqui e ali para apreciar a paisagem e sacudir o muito pó levantado nos secos caminhos.

A meio da tarde paragem mais extensa para o saboroso lanche, com vista privilegiada sobre o Douro, numa das belas arribas do Parque Natural do Douro Internacional. O miradouro de Penedo Durão nunca desilude, especialmente quando sobrevoados por uma dezena de gigantes grifos.

De regresso à medieval Moncorvo, e depois de um merecido banho, mais um momento de grande e agradável convívio. O bacalhau e a carne de vitela, servidos ao jantar no histórico restaurante “O Lagar”, foram elogiados por todos os presentes. Estava na hora do descanso, mas a maioria da comitiva ainda foi conhecer os recantos ao bar “Muralhas”, bem no centro da vila.

Na manhã de domingo, à hora marcada para o início dos cerca de 70 km de trilhos, lá seguimos para mais uma aventura. Numa primeira parte, fomos conhecer as minas de ferro da região, desde as mais antigas às mais recentes, proporcionando passagens por paisagens multicoloridas, entre o vermelho vivo da terra, o verde das árvores, o amarelo das maias ou o rosado das urzes. Numa segunda parte, o contorno cénico da barragem do Sabor, com paragem entre as aromáticas estevas para apreciar a beleza da região.

O final do passeio fez-se no restaurante “O Frango”, em novo momento de alegre convívio e troca de experiências. Sem dúvidas um fim-de-semana memorável para todos os presentes! Com a troca de cumprimentos na despedida, ficava já a pergunta no ar, quando é o próximo passeio de Trails do Moto Clube do Porto?? A passar já para a tua agenda: 11 de setembro, o Trails de Verão.

Ler mais...

O MCP na Lituânia para o FIM TWC 2022

Perseguindo a conquista pela 3ª vez consecutiva, o título da Federação Internacional de Motociclismo, o de Vencedor do Touring Challenge (tipo campeonato do mundo de Mototurismo) por equipas, o Moto Clube do Porto está presente no evento a contar para este campeonato a decorrer desde hoje na Lituânia, denominado BIKER NIGTHS 2022.
 
Com a presença dos nossos bravos sócios, Nuno Trêpa Leite, Paulo Mendes e a nossa imparável sócia Neusa Mendes, o clube garante assim a pontuação necessária para continuar na luta para mais esta conquista.
A estes aventureiros desejamos uma participação memorável, e claro está, um bom regresso por mais de 3600kms em 6 países.
 
Aos interessados em se juntarem a nós para mais esta conquista, não se esqueçam de entrarem em contato connosco pelo email Este endereço de email está protegido contra piratas. Necessita ativar o JavaScript para o visualizar. e colocarem as vossas questões e possibilidades de participação nos próximos eventos.
Mesmo se não forem sócios, e quiserem se juntar a nós, não há problema, arranja-se solução para integrar as nossas equipas e pontuar.
Para poderem escolher onde participar, eis a lista de eventos pontuáveis que se seguem:
 
• 24º Lés a Lés - 9/6 a 12/6 - Faro a Bragança 
• 40ª Concentração de Faro - 14/7 a 17/7 - Faro
• 75ª FIM RALLY - 27/7 a 29/7 - Ferropolis-Alemanha
• Al Confine Tra Terra e Maré - 9/9 a 11/9 - Maratea-Itália
• 20.000 Lieux Sur les Mer - 17/9 a 18/9 - Martigny-Suíça 
• Touring Xacobeo 21.22 (Volta Motociclista a Galicia) - 8/10 a 9/10 - Vigo-Espanha 
 
Não se esqueçam de vir participar connosco.

Passeio de Primavera

Dia 15 de maio estava marcado na agenda – PASSEIO MCP DE PRIMAVERA! Toda a semana a ver a previsão meteorológica: de início dava muito sol, a meio da semana céu parcialmente nublado e para o final previa chuva ☹. Mas como a esperança é a última a morrer, e os sócios do Moto Clube do Porto não têm medo de “encolher” com a água, à hora marcada a caravana estava pronta para enfrentar a chuva que tinha começado a cair. E ainda bem que o fizeram pois ainda não rolavam há 10 minutos e a chuva parou.

Com o céu a clarear e a estrada a secar foi tempo de apreciar as curvas junto ao Douro, e depois a caminho de Arouca, onde se fez uma “paragem técnica”. Depois do café, o grupo voltou à estrada para subir às alturas da Serra da Freita, onde o sol já ia aparecendo, possibilitando aos participantes apreciarem as gargantas e vales profundos, bem como a paleta de cores das suas encostas cobertas de maias, tojo e urze.  

A caravana rolava a bom ritmo e a chegada ao restaurante Montanha foi à hora prevista; as entradas estavam ótimas, tendo-nos aberto o apetite para o arroz de pato que se seguiu e para as sobremesas. Depois do café, dirigimo-nos para o Museu do Caramulo onde começamos por apreciar o espólio deixado por João Lacerda, antes de ver as exposições temporárias (uma de motos e outra de arte gráfica dedicada ao desporto automóvel) e a dos brinquedos. Atravessámos a rua para ir ver o edifício dedicado aos automóveis, onde continuamos a apreciar algumas obras de arte sobre rodas; para finalizar a visita, tivemos de recorrer às nossas motos que nos levaram ao novíssimo espaço do Caramulo Experience Center; aí pudemos apreciar as oficinas de restauro automóvel, em atividade durante a semana, e o espólio de “reserva”, capaz de fazer inveja a qualquer mortal. O nosso muito obrigado ao Tiago Patrício Gouveia pela oferta da visita guiada ao Caramulo Experience Center.

E como tudo o que é bom acaba depressa, lá tivemos de nos despedir de tão aprazível espaço para regressar a casa. Rumámos a Águeda, aproveitando a N234 para acabar de arredondar os pneus, antes de entrar na A25 e A1 e voltar a casa.

Gostaram do passeio? Para o próximo mês há mais, marquem na agenda 4 de junho - Rota dos Sabores – e de 24 a 26 de junho – Nacional 2.

Ficamos à vossa espera!

Subindo e Descendo pelos Quintais Vizinhos

No passado fim-de-semana de 23 e 24 de Abril, teve início o 25º Troféu Nacional de Moto-Ralis Turísticos BMW/Dunlop da FMP 2022, que pela mão do muito experiente Moto Clube do Porto levou cerca de 90 participantes em 63 motos a passear pelos concelhos de Castanheira de Pera, Pedrogão Grande e Figueiró dos Vinhos

Com epicentro no Concelho de Castanheira de Pera, começaram estes passeios fortemente culturais do Trofeu Nacional de Moto-Ralis BMW/Dunlop da FMP em 2022. Sendo Castanheira de Pera uma conhecida pérola do nosso património cultural e paisagístico, tem muito para oferecer, no que diz respeito ao lazer e ao eco turismo. Assim, os mototuristas iniciaram o sábado com um périplo por alguns pontos de interesse, nomeadamente por algumas das suas aldeias pitorescas como Pera, Pisão do Baeta e Coentral Grande, onde no início de século XX, um grupo de Coentralenses decidiu fundar um centro escolar com o objectivo de criar uma escola de ensino primário feminino, proporcionando assim o acesso à instrução e à cultura por parte das mulheres. Sem dúvida uma visão revolucionária para a época. Para além disso, foi mostrado aos mototuristas a bela Praia Fluvial do Poço Corga com o seu esplêndido carvalhal centenário ou o Museu do Lagar. E também se desceu aos Passadiços da Ribeira das Quelhas que dão acesso a um dos locais mais belos e selvagens da Serra da Lousã.

Durante esta manhã de sábado, houve ainda tempo para uma visita ao Planalto do Santo António da Neve e à Capela de Santo António e os três exemplares de Poços Neveiros, classificados como imóveis de interesse público em 1986. De seguida, tempo para uma breve contemplação no Baloiço do Trevim, já fora do concelho de Castanheira de Pera e almoço no Lugar da Picha.

Após o revigorante almoço, foi tempo de passear pelo Concelho de Pedrogão Grande, continuando a visitar aldeias, como Escalos do Meio, Escalos Fundeiros, Mosteiros e a sua esplêndida Praia Fluvial, ou ainda Vila Facaia e respectivo Museu do Acordeão e da Concertina. Um dia em cheio com tempo para conhecer também o Parque Verde e Núcleo Museológico da Graça. Por fim a chegada a Pedrogão Grande e ao seu magnífico Jardim da Devesa para o merecido jantar e descanso no Hotel da Montanha.

No domingo, após o merecido sono retemperador, o passeio iniciou-se junto ao edifício da Camara Municipal de Pedrogão Grande, rumo a Figueiró dos Vinhos onde os mototuristas tiveram oportunidade de visitar a Torre da Cadeia Comarcã, Casa-Museu José Malhoa ou a Igreja Matriz de S. João Batista. Após uma breve passagem por Campelo, com visita ao viveiro de trutas, foi tempo de chegar de volta a Castanheira de Pera para visita à Casa do Tempo e finalmente, o almoço na Feira da Gastronomia em Movimento.

Após o almoço foram premiados os participantes mais atentos do passeio, tendo Nuno Cunha, dos Conquistadores de Guimarães, subido ao pódio, secundado pelo Vítor Olivença do Moto Clube de Albufeira e no derradeiro lugar do pódio a ir para a Capital do Móvel pela mão do José Augusto Santos. Estes primeiros classificados levaram para casa prendas de cutelaria oferecidos pela ICEL e lembranças oferecidas pela TRY.

A equipa da organização do Moto Clube do Porto encabeçada pelo Germano Mateus está de parabéns pelo excelente passeio e simpático acolhimento que proporcionou a todos os participantes.

A próxima jornada do troféu terá lugar na zona da Chamusca pela mão dos também veteranos Motards do Ocidente, nos próximos dias 21 e 22 de Maio. A não perder!

José Garcia

Comissão de Mototurismo da FMP

Fotos Sérgio Correia (as poucas disponíveis)

Fotos da Prazilândia (Castanheira de Pera) - https://l26mw4.s.cld.pt

Se tiverem fotos que queiram partilhar conosco, agradecemos.

La ReVuelta 2022

O tema do 26º moto rali do Moto Clube do Porto, encaixou perfeitamente no passeio turístico que é conhecido como a ReVolta motorraliana.

Aos onze que saíram de Castanheira de Pêra, juntaram-se mais alguns participantes em Castelo de Vide para a 3ª ReVolta. Realizado o Chekin no hotel, o grupo dirigiu-se para a Confraria, restaurante muito agradável escolhido para o jantar de boas vindas e também para o sorteio de alguns brindes e vouchers oferecidos pela TRY/Casa das Peles. O digestivo para a sossega teve lugar na já habitual visita ao bar JM do João Maroco, seguido de merecido descanso, que a ReVolta é exigente.

Nascia o dia da famosa revolução dos cravos e também do arranque para a ReVolta do Moto Clube do Porto. Seguindo entre árvores com fraldas, pela Portagem e parque natural de São Mamede, fizemos a nossa entrada em território de nuestros hermanos por Valencia de Alcântara, e as T-shirts personalizadas La ReVuelta, indicavam o que por lá andava a fazer um grupo de 14 ReVuelta(dos) em atividade moto turística.

O destino, esse era Toledo, mas antes de lá chegarem, os Revoltados tinham uns bons quilómetros de excelentes estradas para percorrer, paisagens generosas para apreciar, e belíssimas cidades e vilas para conhecer. Uma dessas cidades foi a de Trujilo.

Já lá haviam passado os Visigodos, Romanos, Árabes e Cristianos, não podia faltar a passagem dos ReVueltados, com a devida e merecida sorte passamos pelo centro e casco histórico desta relíquia histórica, sem nunca perder o rumo ao destino final. Subindo pelo parque nacional de Monfragüe, e descendo a Almaraz zona onde encontramos o TAJO, ou para nós o Tejo.

Gostamos tanto de o encontrar que nunca mais o perdemos de vista até Toledo. Perdemos sim, a conta a quantidade de vezes que fizemos a sua travessia, ora de norte para sul, ora de sul para norte.

Após um retemperador almuerzo seguiu-se El Puente de Arzobispo, uma vila pitoresca cuja ponte romana dá acesso á vila e serviu de panorama para a primeira foto de Grupo.

Las Barrancas de Burujón é uma paisagem espetacular de barrancos avermelhados, formados por barrancos e gargantas que as águas do rio Tejo e a erosão eólica formaram ao longo dos séculos. Um tesouro para os olhos, com uns quilómetros de comprimento, faz-nos pensar que estamos no Canyon do Colorado. Mas a tarefa mostrou-se difícil. Não que não soubéssemos que era ali, mas a pé eram cerca de 2 a 3 quilómetros e como é nosso lema, se o destino for alcançável de mota, nós vamos lá, mas o destino não foi alcançável de mota e a incursão por estrada de terra batida e alguma areia, mostrou-se impossível de fazer, ora havia um riacho, ora havia uma cancela, para ir pelos caminhos pedestres faltava-nos o tempo. Fica para uma próxima.

Finalmente, conhecida como “A cidade das três culturas”, á nossa frente em todo seu esplendor, Toledo. A visita a Toledo é de fato uma aula de história sobre a Espanha, um dia nunca vai chegar para conhecer esta maravilhosa cidade. Foi fundada em 192 a.c. pelos romanos, foi capital do Reino Visigótico e do Reino de Castella, e durante séculos era povoada pacificamente por cristãos, judeus e muçulmanos. Fato que a fez ficar conhecida como “A cidade das três culturas”.

A herança cultural daquele tempo permanece até hoje, sobretudo em sua arquitetura, que mescla influências góticas, árabes e judaicas, sendo seu principal atrativo. Foi eleita Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco.

O Hotel no centro do casco antigo proporcionava uma vista soberba sobre os telhados da cidade. Tal a Beleza que o grupo decidiu em unanimidade boicotar a saída programada do dia seguinte pela manhã, impondo conhecer um pouco melhor esta maravilha de Espanha. Atitude de ReVoltados na sua ReVuelta. Em uníssono soava “queremos Toledo”. Assim foi, pois, o povo é soberano.

Saímos de Toledo com o percurso totalmente de pernas para o ar em termos de horários e trajeto, mas revolta que é revolta vai até ao fim. Já que não íamos ter moinhos nem Cervantes fomos visitar a uns escassos 60 quilómetros de Toledo mais uma beleza real. Aranjuez, Cidade com um belíssimo desenho arquitetónico na totalidade do conjunto da vila, com jardins fantásticos e um palácio real lindíssimo.

O almoço acabou por ser ali mesmo pois este grupo queria era conhecer e revoltou-se contra as horas, mas sempre em unanimidade. Que seja, os revoltosos mandam e aciona-se o plano B, que no fundo era a tarde do plano A, e rumo a curvas, lagos e serras pelas paisagens do parque natural do Valle de Iruellas. Com as serras de Gredos no horizonte cobertas de neve.

A planeada primeira subida a 1760m teve que ficar para uma outra Revolta em que talvez consigamos cumprir horários, ou não! Mas subimos a 1575 metros de altitude, concretamente a Serranilhos, aldeia serrana onde nos esperava um simpático hotel e um excelente jantar, do qual temos a certeza ficará bem presente na memória dos revoltados.

Mas porquê tão cedo?

Era a pergunta que o grupo e também os funcionários do hotel colocavam, estes segundos habituados a servir o pequeno almoço das 9:30 hr. em diante, mas que com muita boa vontade e simpatia lá o estavam a preparar pelas 7:30. A previsão meteorológica dizia 60% de chuva prevista, mas, São Pedro é que manda, e foi um dia de sol magnifico que nos acompanhou. Fresquinho, pois a saída para a ultima etapa foi feita com 6ºc, mas a cada quilometro a alma ia aquecendo, com estradas fantásticas e paisagens deslumbrantes. A subida a Puerto Penha Negra, também conhecido pelas etapas da volta á Espanha em bicicleta, levou-nos a 1909 metros de altitude para colocarmos as montadas e os pés na neve. Lá do cimo esperava-nos além da neve uma vista sobre uma paisagem arrebatadora. A descida, essa foi em forma do famoso Stelvio, mas sem o movimento desse.

Quem sobe uma vez sobe duas ou três, mais umas aldeias serranas e mais uns lugares fantásticos na nossa passagem, como o Pueblo de Puente de Congosto com a sua ponte romana sobre o o rio Tormes. Fomos de seguida ao pequeno Puerto Tremedal, que para apreciar os seus cavalos selvagens e beleza natural foi feito a subir em curva contracurva até aos 1637 metros de altitude.

Adivinhava-se que por detrás das viseiras dos capacetes o semblante era de tristeza, ao descer o Vale de Jerte, com os seus campos de cerejeiras a perder de vista, rumo a Plasencia e Zarza La Mayor. Sim a direção fazia adivinhar que também os ReVueltados, não vivem só de férias e lazer. A entrada no nosso cantinho á beira mar plantado, foi desta vez por Monfortinho e com destino ao Javali em Penha Garcia, onde nos esperava um delicioso bacalhau e uns bifinhos de Javali. Feitas as despedidas, uns para norte outros para sul e ainda outros para oeste, seguiram todos para o seu destino e segundo as informações chegaram todos bem. A pergunta colocada pela organização aos participantes sobre o que mais e menos gostaram, recebemos estas respostas. Grupo 5 estrelas, trajeto fantástico, acabou muito rápido e para quando a próxima ReVuelta.

Para a 4ª ReVolta fica a promessa de mais dias, os Revoltosos são soberanos.

Um Bem-haja a todos os participantes

PS. Quem tiver fotos que nos queira facultar agradecemos

Fotos seguintes by Jorge Andrade (Xuxulyne aka PanXuxa)

 

Voltaram as AG à sede

Contas aprovadas por unanimidade na Assembleia geral ‘fiscal’

A 18 de março teve lugar, na sede ‘multiusos’ do Moto Clube do Porto uma Assembleia geral histórica. Não porque seja surpresa a aprovação das contas respeitantes a 2021 apresentadas pela Direção ou porque as (poucas) dúvidas fossem cabalmente esclarecidas, mas sim pelo facto de, finalmente, voltarmos a reunir os sócios numa sessão de trabalhos presencial. Esta foi, sem sombra de dúvida, a melhor notícia que ficou da AG ‘fiscal’ onde, sem as restrições que limitaram uma vivência normal nos dois últimos anos, foi notório o aumento da confiança no regresso a dias normais.

Tempos complicados para todos que levaram o Moto Clube do Porto a adiar e cancelar muitos dos eventos em 2021, obrigando a trabalhos redobrados e grande dose de imaginação para que essa situação não se refletisse na estabilidade financeira. Algo que, também com uma boa dose de ginástica, foi conseguido, mantendo as contas em ‘águas tranquilas’ como havia sido esclarecido na anterior AG e que, agora mereceu aprovação unânime por parte dos sócios presentes. Que, não sendo muitos, deram por bem empregue a deslocação à Rua Aurélia de Sousa, colocando a conversa em dia e até combinando próximas saídas de moto! Que os passeios e outros eventos estão à nossa espera.