Faixa publicitária

English Version

Da Invicta para o Mundo

Moto Clube do Porto

25 anos pelo Motociclismo

Decorria o Verão de 1986 quando um grupo de amigos bastante entusiastas do mototurismo decidiu formar o Moto Clube do Porto (MC Porto). Empolgados pelas concentrações espanholas que visitavam na vizinha Galiza, logo se empenharam nesta vertente do motociclismo, limitados pelo então vetusto parque de duas rodas, típico da altura, mas com grande gosto e paixão.

Rapidamente começou a surgir também a vontade, entre diversos associados, de experimentar o Todo-o-Terreno, começando o programa de actividades anual do MC Porto a dividir-se saudavelmente entre a estrada e os trilhos fora desta. Daqui à organização de eventos em ambos os sectores foi um curto passo.

E a competição começa a mexer com o clube

Enquanto o clube montava a sua Concentração Mototurística em 1990 (revolucionária na altura com tenda de circo e sorteio de moto de alta gama) o TT movia-se bem: organizou dois Triatlos - corrida de moto, bicicleta e a pé - em 92 e 93 - e quatro Enduros a contar para os campeonatos nacionais de 91 a 94.

… bem como a visibilidade das Moto-shows

1993 e 1995 foram anos de feiras motociclísticas na Exponor. O jovem MC Porto foi convidado a montar as áreas de animação com exibições de trial em moto e bicicleta. Êxitos absolutos que deram grande impulso ao clube pela visibilidade conseguida.

O Trial Nacional

Desde que existe competição de Trial a nível nacional, o MC Porto tem estado sempre no rol de organizadores. Assim, de 1991 até aos dias de hoje, já realizou 23 “Nacionais” de Trial Outdoor alternando os seus cenários de 1991 a 2003, e - finalmente - na Cidade Invicta a partir de 2004, graças às excelentes condições da Quinta de Bonjóia onde já montamos 5 edições.

A primeira prova decorreu na praia de Lavadores, em Gaia, as sete seguintes no Monte do Cruzeiro, em Baltar, Paredes, onde voltamos em 2006. O ano de 1999 viu o Trial manter-se em Paredes, mas na freguesia de Rebordosa, tendo em 2000, o MC Porto mudado de armas e bagagens para Paços de Ferreira, a dinâmica “Capital do Móvel”, onde organizou as melhores provas de sempre. Em 2003 conheceu nova região: a de Resende, que repetiu em 2005.

A paixão e carinho que esta modalidade de perícia e coragem ganhou no seio do MC Porto fez que o clube fosse organizar ainda três provas de “nacional” à Figueira da Foz, de 99 a 2001, e contribuísse com importantíssima ajuda às provas de Lousada de 2000 a 2003 e diversas organizações de Vila Verde e Braga, de 2002 a 2004.

Em 2005, o MC Porto estreou-se como organizador de Trial Indoor, com o 1º Trial Indoor do Porto, pontuável para o também, 1º Troféu Nacional da modalidade. Foi a 12 de Fevereiro, no Pavilhão Rosa Mota e com sucesso acima das melhores expectativas, pelo que voltamos a repetir a prova em 06, 07 e 09.

Mais recentemente, a 11 de Setembro de 2011, estreamos o formato de “Nacional” de Trial Urbano, na Maia. Excelente.

...e outras modalidades

Já os Triatlos e os Enduros tinham tido Paredes e algumas serranias de Valongo como local de competição pelo que esta região deixou boas recordações aos motociclistas da Invicta.

Invicta esta que finalmente viu uma prova do seu moto clube. Foi em 96 que os rochedos anexos ao Castelo do Queijo presenciaram a azáfama e colorido do Bike Trial do Porto, prova de bicicletas e dedicada às camadas jovens.

Treze anos depois, o Bike Trial regressou ao mesmo cenário pela mão do MC Porto. Foi em 2009 com pódios abrilhantados por atletas espanhóis.

O MC Porto tem ainda a faceta do pioneirismo, gostando de colmatar calendários ou criando em Portugal eventos novos ou únicos. A Subida Impossível é mostra disso. Prova vertiginosa, organizada por cinco vezes, de 91 a 96, na serra da Pena Branca, em Penafiel, atraíu campeões nacionais de várias disciplinas do TT. Consistia em tentar subir inclinadíssima rampa que em 200 metros subia 100...

Perante o êxito em termos de espectáculo, também correspondeu o dos pilotos, que, nas últimas edições, conseguiram o atingir o cume da pista. Manuel Vieira, Paulo Marques, André Garcia e Fernando Moreira foram alguns dos vencedores.

Como este moto clube não consegue ficar quieto duas semanas que sejam, experimentou mais duas vertentes do motociclismo: a 10 de Junho de 2001, organizou o seu primeiro Freestyle, pontuável para o Campeonato Nacional, realizada em Paços de Ferreira com vitória de Paulo Martinho; a outra disciplina que durante 5 anos nos acompanhou foi a de SuperMoto (inicialmente SuperMotard) e que marcou também o regresso do clube a Paredes. Deste modo, a pista de Baltar já viu por seis vezes o campeão Cristiano Fernandes subir ao pódium de 2001 (2 vezes) até 2005. Neste seguimento organizaram-se ainda três provas de promoção das camadas jovens em velocidade, nos troféus de Mini-GP.

A era internacional

Em 1997, o MC Porto era desafiado pela Federação Nacional de Motociclismo (agora FMP) para organizar a etapa portuguesa do Campeonato da Europa de Trial. Perante o desafio, o clube portuense organizou uma prova simpática e de boa qualidade organizativa em que o espanhol Marc Catlá foi o mais forte. Estávamos em Baltar, Paredes, localidade que voltou a servir de cenário ao “Europeu” de 98, vencido pelo transalpino Stefano Dellio.

Do ponto de vista desportivo, foram óptimas competições, mas o MC Porto deu o salto para melhorar também a produção - cada vez mais importante nos dias que correm - quando foi novamente desafiado pela FNM para organizar o GP de Portugal de Trial, pontuável para o Campeonato do Mundo. Foi em 1999, e de novo em Paredes, fazendo proveitosa parceria com a produtora Realizar - Eventos Especiais.

Mas sempre a aspirar a melhores organizações e respectivas produções, o MC Porto  saltou para o vizinho concelho de Paços de Ferreira, onde com forte apoio autárquico e alicerçado na já considerável experiência, montou em 2000 a segunda melhor prova de sempre dos 26 anos do Campeonato do Mundo de Trial, na opinião de altas instâncias do trial mundial.

Em 2001, com terceira vitória consecutiva do ogre britânico Doug Lampkin, a fasquia da qualidade manteve-se tal como o estatuto de 2ª melhor prova mundial. O prémio viria a seguir: A FIM atribuiu com confiança, a organização do XIX Trial das Nações 2002 a Portugal, à FNM e ao Moto Clube do Porto!

E assim os elementos deste clube portuense foram honrados com a visita de 120 pilotos, homens e senhoras, representantes de 24 selecções de 4 continentes. A festa foi colorida e alegre e ainda esticada para três dias, pois a FIM, pediu também que o MC Porto organizasse a Taça do Mundo de Senhoras na véspera do TdN. Pedido que nos chegou 15 dias antes (!) devido à anulação por inundações, da referida prova em França. Foi um dos pontos altos da vida do Moto Clube do Porto e que conheceu a vitória da equipa inglesa em homens - Lampkin, Jarvis, Connor e Colley - e espanhola, em senhoras. A também nuestra hermana Laia Sanz arrebatou a sua terceira Taça do Mundo consecutiva.

Para o Júri Internacional e responsáveis das federações visitantes, foi dos melhores Triais das Nações de sempre, com uma produção muito acima do normal, novamente a cargo da Realizar.

O melhor Rally Meritum FIM de sempre!

E se a Comissão de Trial da FIM já apreciava o nosso trabalho, a Comissão de Lazer e Mototurismo da Federação Internacional de Motociclismo juntou-se-lhe na opinião. O MC Porto foi honrado com a atribuição da organização do 21º Rally Meritum, evento que haveria de atrair à Cidade Invicta 190 mototuristas de 20 países, dos EUA à Finlândia. Durante três dias de Junho 2003 consolamos os bem maduros participantes com refeições e animação portuense e minhota ao ponto dos mais experientes nos afirmarem ter sido a melhor edição até ao momento!

Grande Congresso UEM

Mais pacato mas de grande qualidade foi o Congresso UEM (União Europeia de Motociclismo) que a FMP trouxe à cidade do Porto em Julho de 2010, e para o qual nos pediu auxílio. De novo, os mais de 260 congressistas de 48 países, saíram maravilhados com a talvez melhor edição… acertaram, de sempre destes congressos.

Pilotos a rodos, dezenas de títulos

Logicamente, ao longo de todos estes anos, os diversos campeonatos da FMP conheceram dezenas e dezenas de pilotos MC Porto. Especialmente no Trial, na Velocidade e no Enduro, foram muitíssimos os homens e mulheres que ajudaram a encher grelhas de partida e levaram o nosso logo pelas pistas e trilhos de Portugal e estrangeiro, quer a nível individual quer fazendo parte das selecções nacionais.

Os títulos de campeão ou vencedor de troféus também foram surgindo com destaque para André Garcia e Pedro Bianchi Prata. Também Osvaldo Garcia, Carlos Beirão, Fátima Silva, João Melo, Diogo Vieira e Rita Vieira são alguns nomes que tem trazido alegrias ao clube.

Muita passeata para relaxar

Entretanto, os sócios do MC Porto, habituados a algumas actividades turísticas anuais, seriam testemunhas do grande boom de 1992, com a criação interna de múltiplos passeios por todo o Portugal.

Quantos passeios de 1, 2, 3 ou mais dias já organizamos até finais de 2011? Entre 250 e 350 seguramente. Com todo o tipo de formatos e feitios, longos e curtos, desde as rebuscadas rotas pelos cantos desconhecidos da Cidade Invicta até levar os sócios à açoriana Ilha de S. Miguel, poucas aldeias e estradas ainda não foram precorridas nos nossos eventos turísticos.

Formatos que fizeram escola

Destas toneladas de passeatas destacamos os Moto-ralis (MR) turísticos, que rapidamente fizeram tradição pelas suas características inovadoras de divertimento, aliado a grande dose cultural e de saber interessar todos os participantes pelas regiões visitadas. O sucesso desta nova forma de viajar levou a que vários moto clubes nacionais seguissem o agradável exemplo, chegando ao ponto da Federação de Motociclismo de Portugal organizar desde 1997 o Troféu Nacional de tão turística modalidade.

Neste Troféu, os elementos do MC Porto são constantemente os mais participativos. Numerosos, levam sempre os passeios para a brincadeira, tendo descambado três vezes, vencendo por clubes, os Troféus de 99, 2001 e 2010.

Vamos em 20 edições, mantendo recordes de participação quer no nosso MR quer em termos de sócios da casa a participarem no Troféu.

Também pioneiros são os “Morcegos”. Rali-paper cultural mas completamente disputado durante uma noite de Verão, a morcegada veio para ficar, como prova o facto de ininterruptamente - tal como os Moto-ralis - se organizar todos os anos e sempre com excelente aderência de 70/100 noctívagos.

Também já vamos com 20 edições, constantemente com o forte apoio da Henisa Cash & Carry.

Ainda dentro deste espírito salutar, o clube portuense montou 15 “Piqueniques Brincalhões” onde se aliam passeios a jogos e brincadeiras em lagoas, rios ou piscinas. Em 2011, o evento durou três dias…

Mas há mais passeios com o carimbo MC Porto. Os “País Dekarta” com 4 edições e os dois “Porto ADI” são eventos muito sui generis numa busca constante de oferecer novas formas de fazer mototurismo.

Mototurismo além mar e além fronteira

Tendo já percorrido quase todas as estradas e estradinhas de Portugal continental com as suas caravanas (a uma média de 12 passeios turísticos anuais), o MC Porto atravessou a fronteira várias vezes levando os seus associados a conhecer os Picos da Europa (quatro vezes), Serra de Guadarrama, Galiza (várias vezes), Zamora, Bilbau, arribas e nascente do Rio Douro, tal como os berços dos Rio Minho, Tâmega e Lima em passeios mais prolongados na vizinha Espanha.

Ainda mais além, já se organizaram rondas pela Europa (conciliando a apresentação do TdN português, em 2001 em la Bresse, França) e quatro para Marrocos sendo a mais concorrida a que levou 22 elementos a passar o reveillon 2002-2003 às dunas do Erg Chebbi.

Em Portugal destaca-se a viagem organizada para 16 motos que visitaram S.Miguel (Açores) durante 12 dias em Agosto de 2006.

A faceta ambiental

Sendo cada vez maior a sensibilidade do MC Porto para a conservação da Natureza, os destinos dos nossos eventos turísticos procuram incessantemente zonas naturais e protegidas à procura do conhecimento e potencial da nossa biodiversidade.

Neste sentido o MC Porto aderiu ao Projecto Rios, apadrinhando em Janeiro de 2010 um troço do Rio Neiva em Panque, Barcelos. A partir de então, duas visitas anuais ao belo espaço concilia o agradável do passeio ao útil da monitorização e preservação das margens do rio minhoto.

De corpo e alma no Portugal de Lés-a-Lés

Apesar de ser uma organização da FMP, o MC Porto é um dos pais deste grande evento mototurístico nacional, desde 1999. Como tal, está sempre empenhado no seu sucesso, sendo - desde a sua criação -  o clube com mais participantes, de longe, tanto na organização como a subir aos palanques de partida. Nos últimos anos, são constantemente cerca de 100 motos as dos associados do MCP no evento.

As trails também são motos (e de que maneira)

Mais recentemente - em 2003 - o MC Porto começou a organizar passeios especialmente dedicados às motos mais polivalentes. Passeios que nem são de estrada nem são TT, optam pelo Todo-o-Caminho e conseguem a satisfação total dos associados. Umas três passeatas por ano, pelas serranias do norte do nosso país e com diversos graus de dificuldade, satisfazem os associados.

TT também bule

As motos mais radicais  do clube portuense ganham pó não por ficarem na garagem mas porque passam a vida nos trilhos, já que - organizadamente - se tem efectuado muitas incursões pelas montanhas portuguesas, ultimamente acompanhadas de grandes almoços, para as grandes caravanas dos amantes do TT. Em 2005 e 2006 também houve os Super TT de 3 dias e mais de 700km.

2010 e 2011 conheceram dois TT’s MC Porto com mais de 100 participantes nas encostas de Santa Marta de Penaguião.

Das motos para os chaços

Em 2006 nova revolução iniciada no MC Porto. Vamo-nos divertir com motorizadas velhas, em circuitos fechados e com segurança. Nasceram as provas de “chaços”! Em kartódromos, em asfalto, em terra batida, aldeias e montes, muitas provas se organizaram até 2009. Foram quatro anos de brincadeira e adrenalina, atraindo “pilotos” de ambos os sexos, todas as idades, jornalistas e de muitos outros motoclubes. Clubes que viriam a seguir as pisadas do MCP, imitando os “troféus”, “resistências” e provas “urbanas”.

Inseridos na sociedade

Bastante atento ao capítulo social e das responsabilidades que uma associação deve assumir, o MC Porto tem, de há vários anos a esta parte, ajudado a alegrar um pouco o Natal de pessoas mais desfavorecidas, entregando presentes a crianças de instituições de solidariedade da cidade ou idosos de aldeias isoladas nas serranias pouco visitadas.

As cada vez mais frequentes colaborações com a Câmara Municipal do Porto e Fundação para o Desenvolvimento Social do Porto têm juntado o útil ao agradável, transmitindo solidariedade, auxílio, sorrisos e alegria a quem precisa e reconhecimento à nossa associação.

Dar o litro para quem precisa

Espicaçado pela Revista Motociclismo há muitos anos, o MCP começou também a doar sangue. Transformando periodicamente a sua sede social em hospital de campanha com as equipas do IPS, o nosso clube já organizou 20 doações do precioso líquido, sempre com uns regulares 30 associados de braço em riste. Pelo que nos dizem do IPS, esta é a única brigada nocturna do país.

Apoio ao atletismo

Após a gratificante colaboração à 1ª Maratona do Porto, em Outubro de 2004, o MC Porto assinou protococlo em Dezembro do mesmo ano com a AGDP - Associação Gabinete de Desporto do Porto - passando a auxiliar com assiduidade todas as corridas pedestres da Invicta.

O grau de profissionalismo atingido pelos motociclistas MCP fez o clube renegociar o acordo com a RunPorto, organizadora das provas. Já devemos levar umas 60 colaborações até finais de 2011 pois o entusiasta Jorge Teixeira – também já é sócio MCP – cada ano inventa mais corridas, ao ponto de já ajudarmos em 10 por ano.

S. João Baptista das motos

Outra inovação a nível nacional foram os “Baptismos de Moto”. Pela primeira vez, no dia de S. João de 1996, os motociclistas do MC Porto transportaram cerca de 200 conterrâneos. Nesse ano, repetiram o feito em Belmonte, e no ano seguinte, bisaram no mesmo concelho. As últimas tem sido pelos Natais (Jardins do Palácio de Cristal, aldeia da Gralheira, Quinta de Bonjóia...), verões - e sempre que nos solicitam como mais recentemente a Rádio Festival - proporcionando esses primeiros contactos às crianças (e pais) delirantes, e sempre com os maiores cuidados de segurança.

Atentos a quem gosta de pisar os calos

E a atenção das Direcções do MC Porto não se limita a estes parâmetros pois o clube tem sido aliado da FMP - da qual é membro fundador - nas diversas manifestações de protesto: 1993 - contra o preço das portagens; 1999 - pelo povo de Timor; 2000 e 2001 - pela protecção das bases dos rails; 2005 - pela equivalência das cartas de condução automóvel/motociclo de 125 cc; 2006 - pela afirmação "Somos vitimas - não culpados".

São viagens desgastantes a Lisboa, em marcha lenta, esperas em ministérios e gabinetes, idas à Assembleia da República. Mas que dão frutos. A Moto é uma solução, nunca um problema.

O apoio à Federação Europeia de Motociclistas - agora rebaptizada de FEMA - nunca se fez rogado, com presenças constantes nas Euro-Demo de 92, 94 e 96 (em Bruxelas, Paris e Bruxelas, respectivamente), recolha de fundos com produção de t-shirts e ainda na longa e mediática marcha “Berlim - Chipre” de Agosto de 1996.

Obviamente o Moto Clube do Porto não pactua com escapes ruidosos, matrículas ilegais e atitudes pouco cívicas na via pública ou fora dela.

Quase doze anos à procura de sede social, 14 a usá-la bem

Após longa travessia do deserto tentando descobrir uma sede social digna para os seus mais de 400 associados com quotas regularizadas, dificultada pelas inacessíveis rendas praticadas na cidade do Porto, e em que o ponto de encontro do clube se ia movendo pelos cafés da cidade, nas noites de sexta feira, o MC Porto finalmente conseguiu a sua “casa” com o conforto exigido. Foi em Dezembro de 1997 que se inauguraram as instalações do nº 65 da rua Aurélia de Sousa, espaço de 120 metros quadrados e que tem funcionado como verdadeiro multi-usos.

Já lá convivemos e trabalhamos pelo Motociclismo há 14 anos, sendo precisamente em Dezembro de 2011 que se vai partir para profunda remodelação das nossas instalações.

O Multi-usos de Aurélia de Sousa

Dando grande uso à sede social, já a transformamos em discoteca para 12 festas de Carnaval, sete ou mais de S. João, alguns “Álouines”, muita música ao vivo e até saraus de poesia, pista de danças de salão, imensos jantares temáticos, as tais vinte doações de sangue, 10 Motofeiras da Ladra, exibições de slides e filmes de grandiosas viagens dos seus associados, seminários e reuniões de Comissões da FMP e FIM, cursos de orientação, socorrismo e mecânica, e ainda inesquecíveis noites com os relatos de míticas provas por parte dos heróis Paulo Marques (este a bisar), Mário Brás, Elisabete Jacinto, Nuno Santos, Felisberto Teixeira e Pedro Bianchi Prata.

E não são só os pilotos a proporcionarem grandes palestras aos associados do MC Porto. Também o Presidente da FMP, Dr. Jorge Viegas e a equipa da redacção da revista Motociclismo nos brindaram com grandes noitadas. Jorge  Viegas viria a referir no nosso 20º Aniversário “Se eu fosse sócio de um motoclube, seria do Moto Clube do Porto!”

O céu é o limite

Ninho de verdadeiros aventureiros, o moto clube da Invicta vê com indisfarçável orgulho, alguns dos seus mototuristas partir todos os anos para os quatro cantos do globo ou chegar deles.

Quase todos os países africanos (sim, quase todos), quase todos os países americanos (sim, também quase todos), o inquietante Médio Oriente, a imensa Oceania, a colorida Índia e tudo o que é Europa, de Israel à Islândia, mais Sibéria e Extremo Oriente já foram destinos palmilhados pelos associados de horizontes mais alargados do MC Porto que, incentivando-se mutuamente, aprendem bastante com a troca de experiências.

O único caso dramático viveu-se quando alguns amigos nossos foram feitos reféns no Irão, ao tentarem a ligação terrestre a Macau, episódio com final feliz.

O maior feito aconteceu nessa precisa altura (1999) com dois sócios do MC Porto a conseguirem concluir a mesma ligação - de 28.000 km, com Himalaias e muito deserto - em sentido contrário e sem apoio algum de outros veículos. Os nossos sinceros parabéns a Tito Baião e João Pedro Pereira.

Anos depois, também os associados João de Meneses e António Brás mereceram rasgados elogios pela ligação terrestre do Porto a Maputo intitulada “Rota dos Livros”, amplamente mediatizada por uma estação de TV. O sucesso da ligação originou nova edição em 2003 até Bissau.

Simultaneamente, João Pedro e Tito arrasavam ao unirem Luanda ao Porto, novamente autónomos nas suas motos, após oferecerem um contentor de medicamentos na capital angolana.

Mas o António Queirós deslumbrou-nos ao rolar sozinho de Transalp pelas Américas, do pólo Sul ao Norte, durante mais de dois anos e 100.000 km.

João Meneses, acompanhado de dois amigos, rolou em 2010 de Vladivostok até ao Porto e Tito Baião, Américo Cardoso, Susana Antunes, Catarina Almeida, Braga, Ilídio Neto e António Queirós especializaram-se na Guiné, concluindo várias viagens a esta ex-colónia e carregados de espírito solidário.

Com uma força de vontade inexcedível, estes motociclistas tem conseguido o envio de vários contentores de material escolar para escolas de Bissau e da província guineense. E mais, já estão 15 jovens da Guiné a estudar em Portugal graças aos esforços dos nossos sócios. Notável.

Festa da Moto

O nome diz tudo e foi o maior êxito organizativo do MCPorto nos últimos anos. O dia 11 de Setembro de 2011 marcou nova reviravolta nos eventos motociclisticos da região. Uma feira como não há a norte da Batalha, rodeada de exposições de motos antigas com grande nível, atracções, encontros e provas de duas rodas no centro da cidade da Maia, recebeu milhares de vistantes e os mais rasgados elogios por parte de todos. Um novo evento está lançado. A par do Trial das Nações, foi outro dos pontos altos da vida do MC Porto.

Recorde no Logo Moto-humano

235 pessoas e 185 motos em movimento e com coreografia bem coordenada conseguiram desenhar o logo do MC Porto no fim da Festa da Moto, diante da Câmara Municipal da Maia, em apenas 5 minutos e 45 segundos. Foi a apoteose emocionante do acreditar nos sócios do MC Porto, que graças a este feito terão honras no Guinness Book of Records.

Divulgar toda esta dinâmica com boletins e net

Organizando mais de 60 iniciativas por ano, entre eventos sociais, culturais, passeios e provas, o MC Porto consegue manter toda a massa associativa actualizada com os regulares - mensais desde 1992 - boletins informativos. Estes, de 4 páginas e letra pequenina, vão transpirando a vida do clube e motivando os motociclistas para tudo o que vai surgindo.

E desde 2000 o site motoclubedoporto.pt tem vindo a ser modernizado e com uma actualização quase profissional. 2011, ano de reforma profunda, ultrapassará as 120.000 visitas reais graças à qualidade e dinamismo dos conteúdos.

Mérito Motociclista

O Moto Clube do Porto é um clube dinâmico, ecléctico e trabalhador, que lhe valeu em 1997 o Diploma de Mérito Motociclista da então FNM, galardão que já foi entregue também a vários associados deste clube.

O entusiasmo de vários dirigentes do MC Porto leva a que sejam captados também pela FMP e FIM para movimentarem ainda mais o Motociclismo nas diversas vertentes. Actualmente, o MC Porto cede 7 elementos à FMP e 1 à FIM.

As relações entre o MC Porto e os demais motoclubes é cada vez mais fraterna. Com câmaras, patrocinadores e outras instituições é cada vez de maior respeito, profissonalismo e credibilidade.

São bem vindos ao Moto Clube do Porto todos os motociclistas que possuam o espírito transmitido neste historial.

A História em resumo

Fundado no Verão de 1986

Tem actualmente 440 sócios activos

Organizador de:

  • Trial das Nações - Portugal 2002
  • 3 GP de Portugal de Trial - Campeonato do Mundo (1999, 2000 e 2001)
  • 1 Taça do Mundo de Trial de Senhoras (2002)
  • 2 GP de Portugal de Trial - Campeonato da Europa (1997 e 1998)
  • Rally Meritum FIM - Porto 2003
  • 23 provas de Campeonato Nacional de Trial (1991 a 2011)
  • 4 provas Troféu e Campeonato Nacional Trial Indoor (2005 a 2009)
  • 1 prova Campeonato Nacional Trial Urbano (2011)
  • 4 provas de Campeonato Nacional de Enduro (1991 a 1994)
  • 5 provas de Subida Impossível (de 1991 a 1996) *
  • 6 provas de Campeonato Nacional de SuperMoto (2001 a 2005)
  • 3 provas de Campeonato Nacional de Mini-GP (2004 a 2006)
  • 1 prova de Campeonato Nacional de Freestyle (2001)
  • 2 provas de Campeonato Nacional de Bike Trial (1996 e 2009)
  • 2 áreas de animação Moto Show (1993 e 1995)
  • Muitas outras provas desportivas, tipo corridas de "chassos" *, etc.
  • 1 Concentração Nacional de Motociclistas (1990)
  • 20 Moto-ralis Turísticos, 15 dos quais pontuáveis para Troféu Nacional FMP (1997 a 2011) *
  • Mais de meio milhar de eventos turísticos e sociais

Colaborador destacado de:

  • Congresso UEM – Porto 2010
  • 13 edições do Portugal de Lés-a-Lés
  • 60 provas de atletismo da Cidade do Porto

* pioneiro em Portugal

actualizado em Outubro 2011

Copyright © 2017 Moto Clube do Porto. Todos os direitos reservados.
Rua Aurélia de Sousa, 71 • 4000-099 Porto • NIF: 501 831 614 • Tlmv: 93 483 31 37